Violência – Fronteira entre Brasil e Paraguai tem 5 execuções em menos de 24h

Por Luara Pecker e Isabella Peroni
Do G7 Informe
10/10/2021 | 8h42

O final de semana tem sido sangrento na fronteira entre o Brasil e o Paraguai.
Pelo menos 5 pessoas perderam suas vidas em crimes que foram cometidos por pessoas não identificadas, e com armas de fogo de grosso calibre.
As motivações dos assassinatos ainda não foram claras, e a polícia do Brasil e a do Paraguai, investigam.

Na tarde de sexta-feira, o morto foi o vereador Farid Afif, de Ponta Porã, no Mato Grosso do Sul.
A cidade faz fronteira com o Paraguai e conhecida por ser uma das rotas do tráfico na região.
O Parlamentar, de 37 anos de idade, que pertencia ao partido Democratas, foi executado enquanto andava de bicicleta.
Horas antes de ser morto, postou um vídeo nas suas redes sociais, informando que visitaria repartições públicas na cidade com o veículo.

Na vizinha Pedro Juan Caballero, que fica do outro lado da fronteira, já no Paraguai, mais sangue.
Na madrugada de sábado, 9, 4 pessoas foram executadas a tiros, quando saíam de uma casa noturna.
Foram assassinados, um homem de 32 anos e 3 mulheres.
Uma delas, era filha do governador do estado de Amambay, Ronald Acevedo.
As outras duas, eram brasileiras, de Dourados, no Mato Grosso do Sul, que estavam em Pedro Juan.

As 4 pessoas estavam na boate, e saíam para ir embora.
Quando entraram no carro, uma caminhonete se aproximou.
Os homens que ocupavam o veículo desceram e se aproximaram do carro, e atiraram nas vítimas.
O homem, morreu depois de levar 31 tiros.
A filha do governador recebeu 16, e as outras brasileiras 14 e 10 respectivamente.
Todos morreram no local, que ficou vazio após o tiroteio.
Os homens fugiram a rumo ignorado e a polícia paraguaia tenta identificar os autores.

Por hora ainda é muito cedo para se dar qualquer versão sobre o que aconteceu.
A polícia ainda não sabe, se os crimes tem relação.
Mas a escalada da violência na fronteira Brasil Paraguai, é clara e notória.
Nesse ano, 87 pessoas foram executadas em cidades da fronteiras, somados os dois países nos últimos 7 meses.