Taleban no poder – Após grupo fundamentalista assumir o Afeganistão, agora Jornalistas estão em risco

Por Kristin Parker

Especial para o G7 Informe – Cabul, 21/08/2021 | 4h48

O Afeganistão continua passando por dias de incertezas e medo com a tomada de poder pelo grupo Taleban.
Os extremistas assumiram a capital do país, no último 15 de agosto e instalaram seu novo governo, numa velocidade sem precedentes e inimaginável por qualquer pessoa.
Os combatentes do regime se espalharam pelas ruas e por quase todas as cidades do país.
Eles prometeram que não haveria vingança, contra pessoas que ajudaram países estrangeiros durante os 20 anos de ocupação norte-americana no Afeganistão.

Mentiram. Os combatentes do grupo fundamentalista, foram a procura de pessoas que tiveram ligação direta com as forças de segurança no país.
Soldados fiéis ao governo antigo, que não fugiram de suas casas.
Jornalistas e outros profissionais inclusive aqueles que serviram como tradutores, estão sendo cassados.

O grande risco agora é aos Jornalistas.
Diversos grupos de Mídia, que tinham correspondentes no país, sofrem para tentar dar segurança aos seus funcionários.
O Taleban, tomou o controle dos arredores do Aeroporto Internacional de Cabul.
A maior parte do terminal é ocupada pelas forças do regime.
Soldados norte-americanos ficaram com uma das pistas, mas é um limite.
Quem está de dentro não tem como sair, e quem está de fora não consegue entrar.
As pessoas seguem desesperadas para deixar o Afeganistão.
Mas o Taleban proibiu os voos comerciais.
Os Militares no entanto, continuam acontecendo.
É exatamente onde algumas pessoas tem conseguido deixar a capital do Afeganistão em segurança.

Mas isso é insuficiente para salvar a todos.
O parente de um Jornalista da Alemanha, foi executado a tiros por integrantes do Taleban, na quinta-feira, 19.
Isso levantou mais tensão sobre os Jornalistas.
Pelo menos, 120 deles tentam deixar o país.
Com muita sorte e muitos esforços de suas empresas de mídia, do governo dos Estados Unidos e do Catar, eles conseguiram sair do Afeganistão através de atalhos.
Levaram juntos suas famílias e alguns jornalistas afegãos, que trabalhavam na cobertura da guerra nesses últimos anos.

Outros que não tiveram a mesma sorte, tem que se adaptar.
As ruas do Afeganistão são tomadas pelo medo e pela tensão.
Poucos estabelecimentos tem aberto as suas portas, mais os essenciais.
Um clima de incertezas de todas as esferas e até econômicas, paira pelo país.
O Taleban não tem uma política econômica voltada para seu povo, e sim para se enriquecer e deixar ricos, cada vez mais ricos.
Até por isso era grande a parcela de pobreza no Afeganistão, na primeira vez em que estiveram no poder, 1996 – 2001.
Não é possível saber, o que acontecerá com os Jornalistas ainda no país.
Se conseguirão deixar o Afeganistão ou se serão perseguidos pelo regime.
Há uma grande preocupação das empresas jornalísticas e também, das entidades internacionais em que Jornalistas são filiados.

Edição – Guilherme Kalel