Barroso e Mourão se reúnem para discutir risco de ruptura institucional

Por Guilherme Kalel e Tayla Vieira

Do G7 Informe – 14/08/2021 | 7h

O risco de ruptura institucional, eminente no Brasil, que vê sua democracia cada vez mais em erosão, por culpa do Presidente da República Jair Bolsonaro, tornou-se preocupação do Presidente do TSE, Ministro Luis Roberto Barroso.
Na última terça-feira, ele recebeu em sua casa para uma conversa, o Vice-Presidente Amilton Mourão.

O encontro não constava da agenda oficial de nem um dos dois, e foi agendado as pressas.
Barroso queria ouvir de Mourão, se as Forças Armadas embarcariam na aventura de um regime de golpe, que vem sendo indicado por Bolsonaro.
O Presidente tem dito que no ano que vem, não se haverão eleições se o voto não for impresso.
A Câmara derrotou a proposta na mesma terça-feira, por 229 votos contrários e 218 a favor.
Houve ainda naquele dia, desfile de tanques das Forças Armadas em Brasília, por ordem de Bolsonaro.
O que escalonou ainda mais a tensão entre os poderes.
Barroso, tem sido atacado de todas as formas possíveis, inclusive com palavras de baixo calão, vindas pelo Presidente.

Na reunião, segundo interlocutores, Mourão disse a Barroso que não há risco das forças embarcarem numa aventura golpista.
No Brasil, os Militares se pautam pela legalidade, e não há legalidade no que indica Bolsonaro.
Barroso se mostrou satisfeito após a conversa, e o TSE reagiu a Bolsonaro mais uma vez.
O Presidente deve ser investigado, por dois inquéritos propostos pelo Tribunal.
Isso pode o tornar inelegível no ano que vem, e reforçar seu discurso de vítima do sistema, se não for eleito ou não puder disputar as urnas.