Em resposta a Bolsonaro, Pacheco diz que Congresso vai reagir a ameaças e Senado derruba Lei da Segurança Nacional

Por Guilherme Kalel e Tayla Vieira

Do G7 Informe – 11/08/2021 | 5h58

O Presidente Jair Bolsonaro recebeu mais derrotas duras a seu regime de autoritarismo nesta terça-feira, 10.
O Senado Federal revogou os trechos da Lei de Segurança Nacional, que fizeram parte da Ditadura Militar no Brasil.
Esses trechos foram derrubados em projeto de lei, que avançou no Senado e que agora será promulgado passando a valer.
Tratavam das formas em que, as pessoas poderiam se manifestar e o governo, responder e reagir a tais manifestações.
Eram, na lei, as últimas medidas que relembravam o período ditatorial no Brasil, que Bolsonaro sonha em trazer de volta.

Não foi apenas a lei que caiu por terra nesta terça-feira.
O Presidente do Senado, Rodrigo Pacheco, depois de pressionado por colegas, falou a respeito das atitudes recentes de Bolsonaro.
Por conta do desfile bélico que aconteceu em Brasília, em tom de ameaça ao Congresso.
Pacheco disse que, os parlamentares não vão se refutar a defender a democracia,
e que não aceitarão autoritarismo nem arrogos, de nem um poder.
O recado foi claro, direto,
mas ainda precisa de alguns pontos para que possa ser melhor interpretado.
O Presidente do Senado precisa da Câmara, para que tenham uma reação contra o Presidente.
Apesar de todos os pesares e o mal-estar, essa Câmara ainda é fiel a Bolsonaro, com Arthur Lira no poder.