Frio intenso impactará em preços para o consumidor e elevará índices da inflação

Por Luara Pecker

Do G7 Informe – 30/07/2021 | 8h

As fortes ondas de frio que tem passado pelo Brasil ao longo das últimas semanas, provocam um efeito cascata na economia.
Com plantações morrendo por causa das geadas, a tendência é que nos próximos meses e que ao longo de 2022, o consumidor veja os alimentos terem seus preços mais elevados.
Isso, em meio a uma alta que já impacta o bolso das pessoas e que prejudica as compras no setor.

Milho, cana de açúcar, soja, café, são apenas alguns dos itens que ficarão mais caros.
A carne bovina também vai fazer uma disparada nos preços, porque as geadas impactam parte do que os animais comem.
Com menos oferta de comida, os animais devem levar mais tempo para estarem prontos ao abate, o que inflará os preços.

Por conta desses mecanismos, economistas já preveem novos números para a inflação brasileira em 2021.
Se antes as previsões eram de 6,5%, contrariando o índice de meta do governo de 4,
agora esses números podem chegar a 6,7%.
E não é apenas isso.
A depender da alta dos preços, esse número pode ser maior, defende uma economista da XP.

Ainda não é possível mensurar, o tamanho do problema no bolso do consumidor, porque os preços não aumentaram.
Eles estão em alta mas ficarão mais caros, quando o frio passar.
Só lá é que saberemos as percas exatas dos agricultores, e como eles irão repor isso.