Paraná tem Comissão para apurar fraudes em vacinas

Reportagem – Isabella Peroni

Do G7 Informe – 11/07/2021 | 8h

O estado do Paraná, tem uma Comissão Especial de Inquérito, aberta desde abril de 2021, na Assembleia Legislativa, para apurar a conduta de municípios durante a pandemia da Covid-19.
A CEI quer saber, o que foi gasto, quanto e por quais motivos,
se os recursos tomados pelos municípios através de convênios com o estado, realmente foram aplicados nas áreas relatadas.

Outras denúncias também fizeram com que a CEI, ampliasse seu foco de investigação.
As irregularidades cometidas na vacinação de pessoas contra a Covid-19, agora está em Pauta.

39 cidades do Paraná, fraudaram o esquema de vacinação, inserindo o CPF de pessoas que morreram, e que teriam supostamente recebido a vacina.
A fraude acontece porque, essas pessoas mortas teriam permitido com que outras pessoas fora da idade, recebessem as doses.
São em todo o estado, 99 casos que foram denunciados praticados pelas unidades de saúde de 39 municípios diferentes.
Destes, 90 estão investigados e 9, foram apontados como um erro de digitação nos documentos na hora de se registrar a vacina.
Portanto nesses não houve fraude, mas um erro do funcionário.

As prefeituras das cidades envolvidas, alegam que estão abertas para investigação,
mas que nem uma fraude foi cometida.
Cidades como Arapongas, Jandaia do Sul e Maringá, aparecem na lista dos municípios que aplicaram vacinas com CPF de pessoas já falecidas.

Outro problema é o fura fila das vacinas, que no Paraná identificou 1000 pessoas que realizaram o procedimento.
A maior parte delas, usou um atestado para forjar comorbidades que não existem, para que a pessoa recebesse a vacinação prioritária.
Esses casos estão sendo investigados pela CEI.
As pessoas que forem flagradas furando fila, responderão cível e criminalmente por isso, destaca o Presidente da CEI.
Outra coisa que se quer saber, é o papel das prefeituras e suas Secretarias de Saúde, nessas vacinações falsificadas.

Edição – Lívia Tomazelli