Absurdo – São José reclama por não receber subsídio da Prefeitura de Franca e motoristas paralisam atividades

Por Guilherme Kalel e Mariana Maritan, Do G7 Informe

20/06/2021 | 7h

Franca passa por momento delicado relacionado a seu transporte coletivo,
pela 2ª vez em menos de 30 dias, motoristas do transporte coletivo fizeram uma paralisação no Município no sábado, 19.
A paralisação é contra o não pagamento de salários por parte da empresa São José, detentora do uso do transporte coletivo na cidade.
A empresa chegou a divulgar nota informando sobre a situação “caótica” que enfrenta, por conta de “inércia” da prefeitura.

Para os responsáveis pela empresa, já se foi solicitado diversas vezes um subsídio pela Prefeitura Municipal que vem sendo ignorado.
Isso tem feito com que a situação da empresa se agrave cada dia mais.
Não é de hoje e com o Lockdown de 15 dias na cidade ela só se agravou, dentro da São José.
Os ônibus que usam dinheiro das passagens para se manter, que deixaram de circular no período de 15 dias, 27 de maio a 10 de junho, acabaram fazendo com que motoristas e
demais funcionários da empresa não recebessem o salário.
A São José não conseguiu arcar com as despesas para paga-los no 5º dia do mês, nem arcou com empréstimos feitos em bancos para que pudesse manter suas operações.
A empresa destaca que não é de hoje, vem pagando para atuar em Franca.

Se a situação fosse verdadeira e tão ruim como prega a empresa, concorda-se que a cidade estaria num patamar diferente hoje.
A São José, não é de hoje, quer forçar aumentos na passagem que beiram o absurdo.
A empresa já chegou a sugerir valores que ultrapassam os R$ 7,00 para o preço da passagem do transporte coletivo.
Já solicitou subsídios de R$ 1,5 milhões a Prefeitura, e já tentou outras manobras para aumentar sua arrecadação.
Até agora nada funcionou, porque eram manobras ilegais ou absurdas.
De qualquer forma a situação começa a se agravar.
Ao ponto de que, a empresa terá que escolher se presta o serviço ou abandona o contrato e deixa a população na mão.

Vale salientar que nas últimas licitações para contratos do transporte coletivo, última feita em 2020, a São José foi a única interessada em participar do processo e por isso
o contrato foi prorrogado.
O índice de gratuidade é apontado como situação que afasta concorrentes de Franca.
Não é verdade.
Isso porque, todas as demais cidades tem gratuidades e nem por isso, ficam sem empresas responsáveis pelo transporte.
A verdade, a São José monopoliza o transporte público em Franca há anos,
e agora perde esse poder.