Crianças em risco – Com vacinação em professores, governo estuda voltar aulas a partir de julho

Por Nathália Mello, Do G7 Informe

14/06/2021 | 6h

O governo de São Paulo faz uma manobra que promete ser muito arriscada, se permitida pelas autoridades competentes judiciais e de saúde.
Com a vacinação dos profissionais da educação que se iniciou mais intensivamente em 11 de junho, e se estende até o final do mês, as expectativas são para que as aulas
presenciais retornem no estado, a partir do 2º semestre.
As aulas que estão mescladas, e em alguns municípios somente por sistema remoto, voltariam a sua funcionalidade normal.
Respeitando o distanciamento social conforme os decretos estabelecidos pelo estado.

Hoje por exemplo, escolas podem receber até 35% dos alunos por dia, em um rodízio.
Mas a nova meta é que a partir do final de julho, esse número seja ampliado para 70%.
Em outubro, 100% dos alunos já estariam em sala de aula.

Essa manobra acaba sendo perigosa por diversas razões.
1ª delas, que as pessoas estão recebendo apenas a dose inicial da vacina agora.
Portanto em julho, os profissionais de educação não estariam 100% imunizados, apenas parte deles teriam imunização.
Até outubro, ainda sim faltariam algumas pessoas para receberem a 2ª dose da vacina, o que coloca em risco a escola.
Outro problema, aí mais grave, é que os profissionais estão sendo vacinados mas os alunos ainda não estão.
A maior parte das crianças em idade escolar, tem contato com população idosa, ou com população adulta jovem.
E que pode ter o vírus, ou acabar pegando de uma criança se a mesma apresentar.
É importante também salientar, que o Brasil tem registrado, muitas mortes de crianças provocadas pela Covid-19, em uma média que deveria assustar.
Por isso, esse não seria o momento das atividades escolares voltarem.

A volta do ensino presencial ideal, só poderia ser possível para alguns especialistas, no 2º semestre de 2022.
Desde que os casos e mortes diminuam no Brasil, e as crianças sejam todas imunizadas assim como os adultos.
Isso não acontecerá esse ano, destacam médicos infectologistas ouvidos pela Reportagem do G7 Informe.
O governo de São Paulo, foi procurado para explicar sua lógica irracional de voltar as crianças para sala de aula, já no mês que vem.
Até a publicação, as respostas não foram dadas a Equipe.