Hospitais privados de Curitiba restringem atendimento por ampliação da pandemia

Por Isabella Peroni, Do G7 Informe

11/06/2021 | 8h

Hospitais particulares de Curitiba, no Paraná, restringiram a partir desta quinta-feira, 10, seu atendimento aos pacientes.
A medida foi necessária e adotada, por conta da superlotação provocada pelos atendimentos da Covid-19.
Curitiba tem uma série de pessoas que buscam atendimento médico nos últimos dias, das quais a maioria precisa de internamento.
Pelo menos 3 hospitais particulares estão na sua capacidade máxima no Pronto Socorro, e não recebem mais pacientes.
Esses mesmos hospitais, também não aceitam mais internação porque UTI e enfermarias, estão lotados, e não há capacidade de ampliação.

Outros hospitais já começaram a impor algumas restrições também, por conta dessa alta demanda.
O risco é de que, o paciente que precise não consiga um atendimento, ainda que pelo plano de saúde, se as coisas seguirem esse ritmo.
Na rede pública, Curitiba ainda vive um caos.
O SUS tem 102% de ocupação em seus leitos de UTI, e 94% de enfermarias ocupadas.
347 pessoas esperam por uma vaga na central de regulação, sendo que 171 delas precisam de um leito de UTI na capital paranaense.

Em todo o estado a situação não é menos dramática.
A fila da regulação conta hoje, com 1208 pacientes que esperam por um leito.
O período de espera média tem sido de pelo menos 21 dias, para se conseguir um leito na UTI, e 15, para enfermaria.
O problema é que, muitos desses pacientes não resistem e acabam por falecer a espera da vaga.