Em Franca, 24 pessoas morrem a espera de leitos para internação

Publicado em: 29/05/2021 | 7h02

Lívia Tomazelli e Mariana Maritan, Do G7 Informe

A cidade de Franca vive um dos momentos mais críticos da pandemia, no tocante a atendimento aos pacientes com o novo Coronavírus.
Casos mais graves que precisam de internação, estão tendo que deixar pacientes hospitalizados em leitos improvisados ou em cadeiras, no Pronto Socorro Municipal e em uma das UPAs da cidade.
O mais trágico nisso tudo, é que desde o dia 8 de maio, 24 pessoas já morreram na cidade, enquanto esperavam um leito.

Só nesta sexta-feira, 28, foram registradas 3 mortes na cidade de pessoas que estavam nessa espera.
A Central de Regulação de Vagas do estado de SP, tem cerca de 700 pedidos por vaga no dia.
Só na região de Franca, são mais de 100 pedidos.
O problema é que só de UTI, toda a região tem 112 vagas.
O que é insuficiente.
As prefeituras tentam abrir mais leitos, mas precisam de parcerias para conseguir recursos.
O governo estadual, tem alegado nas últimas duas semanas que tem aberto leitos conforme sua capacidade.
Mas que isso não é prerrogativa exclusiva do estado.
Prefeituras e o governo federal, também precisam dispor de recursos nesse momento para atender essa alta demanda.

O problema é que nem sempre as prefeituras tem o recurso preciso, e o governo federal não tem demonstrado muito interesse em ajudar.
Especialmente por conta da política, aos que são críticos a atual gestão.

Em Franca, existiam na noite desta sexta-feira, 56 pessoas que esperavam por leitos internadas no Pronto Socorro Municipal.
Destas pessoas hospitalizadas, 47 precisavam de uma vaga para UTI e 12 estavam entubadas.
A Prefeitura esteve em São Paulo no último dia 21 de maio, a busca de mais leitos.
Na oportunidade o Prefeito Alexandre Ferreira deixou a Secretaria Estadual de Saúde com a promessa de uma liberação.
Ainda isso não ocorreu, e a cidade segue colapsada.

Ribeirão Preto, tem 95% de seus leitos de UTI e 85% de enfermarias ocupados.
A cidade da região ao lado de Franca, formam o novo epicentro da pandemia de Coronavírus no estado de São Paulo.
Franca decretou um Lockdown, até 10 de junho.
Ribeirão, decretou a fase mais restritiva por 5 dias, durante o final de semana.
O que segundo especialistas é inadequado e não resolve o problema.